Apesar da maior força bélica dos russos, os ucranianos estão dispostos a pegar em armas para defender o seu país. A maioria aprova o presidente Volodymyr Zelensky (60%). Muitos também se mostram contrários a fazer concessões à Rússia para finalizar os conflitos.

A pesquisa Opinion Research Business International (ORB) foi realizada entre os dias 3 e 4 deste mês, com 1.024 entrevistados. Segundo o instituto, o questionário foi aplicado por telefone e é representativo para toda população ucraniana.

Nenhuma das quatro hipóteses colocadas para um possível acordo de paz é aceita pelos ucranianos. Mais de 75% são contra o reconhecimento da Criméia como parte da Rússia; 55% são contrários à proibição da Ucrânia entrar na OTAN como condição para encerrar os conflitos. O tema menos unânime é a implementação do acordo de Minsk. Cerca de 46% se mostram contrários a essa hipótese, enquanto 23% se dizem favoráveis. O que é o acordo de Minsk

Mais de 37% dos ucranianos estão fortemente dispostos a pegar em armas para defender o país, quanto 30.8%, dispostos a fazer o mesmo.

A disposição para pegar em armas é maior entre os homens (47.6%) quando comparado com as mulheres (28.5%). No grupo daqueles que afirmam terem alguma disposição para participar dos conflitos há um empate. Cerca de 30% de homens e mulheres têm essa opinião.