Há algum tempo não baixava para analisar dados de mídias sociais. Então resolvi fazer um exercício exploratório, que consistiu em verificar como as redes do Twitter do presidente Jair Bolsonaro e do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro têm se comportado.

Como sabemos, Moro deixou o Governo no dia 24 de abril, após discordar da decisão do presidente de trocar o comando da Polícia Federal. Desde então, outros colegas têm demonstrado que o ex-ministro vem perdendo popularidade nas redes. Segundo levantamento feito pela consultoria Quest, por exemplo, Moro perdeu cerca de 50% da sua popularidade nas redes ( Twitter, Facebook e Instagram, além de YouTube, Google e Wikipédia).

Neste teste, produzi um grafo para ver o comportamento das duas redes. Foram baixados 5 mil tuítes nesta segunda-feira (15/06), considerando as contas @jairbolsonaro e @SR_Moro. Ou seja, a busca capturou tuítes publicados pelo presidente e o ex-ministro e todos aqueles que retuitaram suas mensagens ou mencionaram os dois nas postagens no Twitter.

Como podemos ver na imagem, há duas comunidades razoavelmente separadas, uma ligada a Bolsonaro e outra próximo ao ex-ministro Moro. Os dados indicam que 51% da rede (cor rosa) está diretamente vinculada à comunidade de Bolsonaro. Mas essa rede é um pouco maior porque outros 20% dos seguidores (rede cor pastel) estão diretamente ligados ao presidente. Apenas 16% das contas (cor laranja) formam o grupo mais próximo do ex-ministro Sérgio Moro.

A imagem final acima é compostas por tuítes, retuítes e menções a Bolsonaro e Sérgio Moro. Para visualizar como esses dados vão sendo agregados, apresento na sequência as imagens aplicando os filtros.

Tuítes

Repare que os tuítes são o primeiro passo para que os seguidores de Bolsonaro e Moro comecem a interagir.

Retuítes

Em seguida, vem os retuítes dos posts publicados por Bolsonaro e Moro.

Menções

Muitas vezes associados aos retuítes estão as menções a Bolsonaro ou Moro. É com essa sequência que as duas redes se formam, gerando o grafo final com as conexões entre as contas dos dois e dos seus seguidores ou críticos, sim, eles também podem mencionar o presidente ou o ex-ministro.